Diretamente de Pelotas, a presidente do CRA-RS, Adm. Claudia Abreu, participou como convidada do bate-papo empreendedor, promovido pelo SEBRAE RS, durante a Semana Acadêmica de Gestão.

Ao lado de Anselmo La-Rocca, Administrador, gestor de RH da Safras e Cifras e delegado da seccional Pelotas do CRA-RS; Daniel Peglowi, Diretor de Negócios do Sicredi; Lourenço Guimarães, Supervisor Executivo do CIEE; e de Rafael Lovera, do SEBRAE RS, Claudia falou sobre os desafios do Home Office e as perspectivas para o trabalho pós-pandemia. Ao longo de duas horas, os profissionais compartilharam suas visões sobre esse novo modelo de trabalho com as cerca de 700 pessoas que acompanharam o evento virtualmente.

Claudia contou sobre como precisou adaptar do dia para noite as atividades do Conselho Regional de Administração do RS para a modalidade de trabalho remoto. “Represento uma autarquia federal, cumprimos uma série de normas para exercer nossas funções no CRA-RS. Quando fomos pegos de surpresa pelo decreto que impunha o distanciamento, foi preciso agir rápido para garantir que os nossos registradora seguissem recebendo suporte, que a fiscalização seguisse ocorrendo e que os nossos colaboradores trabalhassem com segurança e estrutura adequada em suas casas. Equilibrar essas questões não foi simples, mas conseguimos e tem sido um grande aprendizado para todos”, disse.

 Para ela, a pandemia impôs às pessoas, além da necessidade de adaptação ao “novo normal”, a necessidade de confiança e de um olhar mais empático sobre o outro. “Estamos trabalhando em casa para cuidarmos uns dos outros, para evitar o contágio pelo vírus, não é? Então isso nos mostra desde já que as organizações são feitas de pessoas para pessoas. Que as pessoas são o principal. Acredito que esse é o pensamento que precisa predominar quando as atividades presenciais retornarem”, comentou a presidente.

 Novos planos

 O Administrador Anselmo La-Rocca, contou para o público que a Safra e Cifras completa 30 anos em 2020, e que todo o planejamento da organização para esse ano era voltado à comemoração, com muitos eventos e ações presenciais com os colaboradores. “Assim como o CRA-RS, revimos nossos planos. Mas, enquanto gestor da área de RH, destaco o cuidado que estamos tendo com os novos funcionários. Quando não estamos trabalhando presencialmente perdemos a convivência responsável por criar o vínculo que reforça a cultura organizacional. Então estamos tendo que inserir essas pessoas no nosso dia a dia, virtualmente. Esse tem sido um grande desafio do Home Office”, explicou.

Na mesma linha, Lourenço Guimarães, do CIEE, disse que os jovens aprendizes e estagiários têm sentido o impacto do trabalho à distância, pois essas posições requerem um acompanhamento mais próximo. “Como os jovens que ingressam no mercado de trabalho, também estamos em um momento de aprendizado. Ainda é difícil dizer como será a vida e as relações de trabalho daqui para frente, mas sabemos que novos modelos inevitavelmente vêm por aí”, ponderou.

Trabalho sem fronteiras

O mediador da conversa, Rafael Lovera, trouxe para a conversa a quebra de fronteiras que o trabalho virtual permite. “Hoje, nada impede que um profissional da Índia, China, dos EUA, seja contratado em uma empresa brasileira. Da mesma forma, nossos profissionais também podem atuar em qualquer canto do mundo, sem sair de casa. Essa já era uma tendência do mercado, mas que agora ganhou força”, disse.

A presidente do CRA-RS, Administradora Claudia Abreu, completou “Quem ama o que faz, vai fazer bem-feito de qualquer lugar.”