Ambientes de negócios favoráveis, incentivo ao empreendedorismo, custo de operação barato, impostos com taxas baixas, grande atração por investimentos, forte proteção ao investidor, um país global. Esse é o Canadá, tema central dos debates dA nova edição do CRA-RS Recebe, promovida nesta quarta-feira (18) pelo CRA-RS, por meio da vice-presidente de Relações Externas da autarquia, Adm. Helenice Reis. Com casa cheia, o evento contou com a participação do chefe do Escritório do Comércio do Governo do Canadá em Porto Alegre/RS, Paulo Barnewitz Orlandi, e do Adm. Cleberson Vieira, que compartilhou sua experiência em território canadense.
 
Orlandi trouxe aos presentes as principais vantagens de empreender no Canadá e a atual relação do país com os brasileiros e, em especial, com os gaúchos na palestra “Think Canada - Going Global: internacionalização de empresas por meio do Canadá”. Segundo ele, uma das grandes vantagens do Canadá é ser um país global, que exporta 70% da sua produção, sem barreiras com o mercado americano. “Eles buscam no Rio Grande do Sul uma relação de longo prazo, com sentido global, focada em tecnologia. Os canadenses reconhecem a qualidade industrial do RS, entendem a nossa origem europeia e acham que o momento é esse para vir ao Brasil”, comentou Orlandi sobre a visão canadense em relação aos negócios no Rio Grande do Sul. 
 
O palestrante falou ainda sobre a educação de lá, com ensino superior similar ao brasileiro, boas universidades e forte atuação em áreas como engenharia, automação, nanotecnologia, energias renováveis, tecnologia da informação, mídias digitais, entre outras. “Em torno de 60 mil alunos brasileiros vão para o Canadá por ano”, destacou. Neste sentido, Adm. Vieira apresentou sua vivência no Canadá e o que o levou a escolhe-lo para uma experiência estrangeira. 
 
“Como escolher o país? A cidade? Escola ou curso que vai fazer? Fomos para estudar inglês e fazer outros cursos de business”, revela ele, que morou no Canadá com a esposa em 2016. Para o Administrador, o país é excelente para estabelecer conexões, tem grande capacidade de se adaptar e inovar, além belezas naturais e muita segurança. “Esse foram alguns dos fatores pelos quais escolhi o Canadá, além da importância dessa vivência ter o propósito do empreendedorismo”, afirmou, revelando ter aberto seu negócio próprio no país em 2017. “Aprendi o ecossistema de inovação de lá”, enfatizou. Atualmente, o Administrador conta com mais um braço de negócios, que é a Missão Canadá, que visa conectar pessoas, acadêmicos, empreendedores com o ecossistema de lá.