O CRA-RS quer engajar os Administradores de todo o Rio Grande do Sul no trabalho dos Observatórios Sociais presentes em 13 cidades gaúchas. O Observatório Social é um espaço para o exercício da cidadania, democrático e apartidário, que busca reunir o maior número possível de entidades representativas da sociedade civil com o objetivo de contribuir para a melhoria da gestão pública. Nesta quarta-feira (19), a presidente do CRA-RS, Adm. Claudia Abreu e o Adm. Marco Aurélio Kihs participaram da reunião “Conversa sobre o Observatório Social com Conselhos e Ordens Profissionais”, a convite da Câmara de Defesa da Sociedade do Fórum-RS, em Porto Alegre. Também estiveram presentes representantes do CRC-RS, CREA-RS, OAB, FEDERASUL e CORE.  
 
Cada Observatório Social é integrado por cidadãos que agem em favor da transparência e da qualidade na aplicação dos recursos públicos. São empresários, profissionais, professores, estudantes, funcionários públicos que, voluntariamente, entregam-se à causa da justiça social. O presidente do Observatório Social de Porto Alegre, Antônio Carlos de Castro Palácios, destacou que os conselhos profissionais podem ajudar no engajamento no interior e que os múltiplos conhecimentos dos Administradores podem ser muito úteis para os Observatórios. “Queremos que o trabalho dos Observatórios seja mais visível para profissionais do interior, onde certamente há pessoas dispostas e por desconhecimento ainda não estão integradas. O objetivo dos Conselhos é proteger a sociedade e buscando esses voluntários se faz isso, além da valorização profissional”. 
 
O presidente do Conselho Consultivo do Observatório Social de Porto Alegre, Pedro Gabril Kenne da Silva, destacou que com a Lei de Acesso à Informação não restam dúvidas de que a consulta aos dados sobre gastos públicos é um direito. “Depois que os recursos são desviados é mais difícil recuperar, por isso o Observatório tem ação preventiva”, explicou. A presidente do CRA-RS destacou a maior atenção da atual gestão ao interior do Estado, o que  favorece  esse apoio ao Observatório Social. “Temos seis membros da diretoria do interior e aumentamos o número de reuniões fora de Porto Alegre”. Ela convida que os Administradores busquem as seccionais e vejam como se engajar. Existem Observatórios Sociais instalados em Porto Alegre, Bento Gonçalves, Cachoeirinha, Caxias do Sul, Cruz Alta, Erechim, Gravataí, Guaíba, Lajeado, Novo Hamburgo, Pelotas, Santa Maria e Santa Rosa, e em articulação em São Leopoldo.