O CRA-RS, tem como competência registrar e fiscalizar o exercício profissional visando a defesa da sociedade, interviu em Concurso Público da Câmara de Novo Hamburgo. O ocorrido foi que a 1ª colocada no certame não pode tomar posse, pois de acordo com a Procuradoria do munícipio ela não teria a qualificação definida no concurso. A Administradora já era funcionária pública em outro órgão e desistiu da vaga concursada. Dessa forma o 2º colocado foi chamado, porém também não pode ser empossado. Conforme a informação prestada pela Câmara de Novo Hamburgo, “o Bacharel em Administração não preenche os requisitos legais (ensino superior completo na área de recursos humanos), para poder assumir o cargo de analista de recursos humanos.” 
 
No entanto, o profissional de Administração tem sim competências para atuar na área de Recursos Humanos, inclusive esta atribuição lhe é conferida por lei. Dessa forma, o entendimento da Câmara difere do que consta nos princípios legislatórios. Em busca de auxílio, o Administrador procurou a área de Fiscalização do CRA-RS que, em conjunto com a Assessoria Jurídica, ingressou com Notificação Premonitória junto ao referido órgão público. Além disso, em paralelo, o profissional entrou na justiça. 
 
O desfecho do caso se deu em janeiro deste ano, quando o Administrador em questão entrou em contato com o Conselho informando sua devida posse na Câmara Municipal de Novo Hamburgo, no cargo de Analista de Recursos Humanos e destacando a atuação da autarquia para que isso fosse possível: “gostaria de agradecer o envolvimento e apoio de toda equipe do CRA-RS no processo. Foi de fundamental importância! Mais uma vez, o CRA cumpriu com sua missão que é ‘promover a ciência da Administração, registrar e fiscalizar o exercício profissional visando a defesa da sociedade’.”