O Conselho Federal de Administração (CFA) tem participado de diversas reuniões com membros do Conselho Nacional de Educação (CNE) para discutir as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) – Resolução CNE/CES n.º 4/2005 – voltadas à estruturação dos projetos pedagógicos dos cursos de Bacharelado em Administração.

Em um dos encontros realizados durante o mês de junho o presidente da Câmara de Educação Superior do CNE, professor Antonio Araujo Freitas Junior, falou que as DCNs precisam focar nas habilidades e competências que o profissional de administração precisa ter e que é importante que as instituições de ensino possam decidir como trabalhar isso nos seus cursos. “Se todos os cursos de administração forem parecidos, a empregabilidade diminui. Mas se você permite essa flexibilidade, amplia as oportunidades para os formandos”, disse.

A reunião contou com a participação da conselheira federal do CRA-RS e diretora de Formação Profissional do CFA, Cláudia Stadtlober. Ela elogiou a proposta das novas DCNs, mas apresentou algumas sugestões do CFA. Uma delas é sobre a prática supervisionada que, segundo ela, pode ir além a fim de “promover o alinhamento da teoria com a prática”. Nesse sentido, Cláudia defendeu que a residência profissional em administração, de caráter obrigatório, poderá oferecer mais oportunidades aos discentes. “Entendemos que, dentro de cada realidade, eles poderão ter uma imersão maior com a prática”, afirmou.

Um outro ponto destacado por Cláudia é a formação por competências. Nesse caso, as faculdades deverão se organizar para atender essa realidade por meio de módulos e não mais pelas tradicionais disciplinas. “Isso amplia a visão do profissional da administração e não fica só naquele olhar nas ‘caixinhas’ e isso vai, de fato, gerar impacto na sociedade”, explicou.

Com informações da Assessoria de Comunicação do CFA