Na última sexta-feira, 23, o Conselho Regional de Administração do Rio Grande do Sul (CRA-RS), através da sua Câmara Especial de Inovação (CETInova), promoveu o evento CRA-RS Recebe, que discutiu uma abordagem multidisciplinar sobre espaços indutores de inovação. A partir de casos apresentados por Administradores, o objetivo foi abordar diferentes perspectivas acadêmicas e profissionais de espaços orientados a estimular e implementar inovações, evidenciando os seus contextos e os efeitos do período de pandemia. 
 
O coordenador da CETInova/CRA-RS, Adm. Silvio Denicol Junior, introduziu o painel explicando a missão da Câmara, que é viabilizar e fomentar essas discussões no âmbito empresarial e institucional, contribuindo para o desenvolvimento de uma sociedade e de empresas cada vez mais eficientes. A mediação foi da vice-presidente de relações externas do CRA-RS, Adm. Helenice Rodrigues Reis.
 
O primeiro palestrante foi o Adm. Marcelo Blume, que coordenou a 1ª Jornada Internacional de Inovação e Empreendedorismo - INNOVA CIDIR nos dias 7, 8 e 9 deste mês, contando com mais de 40 palestrantes e 1.200 participantes de cinco países. O evento virtual promoveu oportunidades de empreendedorismo e inovação, como uma rodada internacional de negócios entre startups, painel com incubadoras solidárias e de impacto social e um tour virtual nos ambientes de inovação. 
 
“A jornada teve como resultado a formação de uma rede internacional de fomento ao empreendedorismo e uma repercussão muito positiva, merecendo ser reproduzida em novos formatos e espaços”, comenta Marcelo. Segundo ele, outras iniciativas de destaque são as realizadas pela Secretaria de Inovação, Ciência e Tecnologia (Sict), através do seu programa Inova RS, que estão colocando luz nas ações de inovação do interior do Estado. 
 
Na sequência, o Adm. Jayme Svirski contou sobre a sua vivência em Israel, onde passou seis meses no ano de 2018, para entender a fama da “nação das startups” e estudar o idioma. Lá, visitou instituições voltadas à inovação, presenciou o uso de novas tecnologias e percebeu um grande incentivo à chegada de imigrantes de várias partes do mundo. Já o Administrador e coordenador do Feevale Techpark, Gustavo Piardi, apresentou o parque que há 10 anos vem construindo uma sinergia entre a quádrupla hélice, uma convergência entre universidade, empresas, governo e a sociedade civil.
 
De acordo com Gustavo, a formação do profissional que trabalha com inovação ainda é uma dúvida, e não existe uma graduação específica para ser gestor ou especialista de uma área de inovação, mas o curso de Administração pode contribuir muito, porque ensina um olhar sistêmico e voltado aos desafios. Sobre os ambientes de inovação, ele acredita que “a capacidade de resposta é algo a se destacar, pois conseguem crescer mesmo em momentos incertos como a pandemia”. 
 
Com base na ideia de que o incentivo à inovação não deve estar desconectado do conhecimento, o Adm. Nedisson Luis Gessi desenvolveu um modelo um pouco diferente de incubadora, que antes mesmo da Covid-19 já funcionava atendendo as demandas de forma virtual - a Incubadora Acadêmica da Fundação Educacional Machado de Assis (FEMA). Além disso, aproximando os cursos e o mundo 4.0, ele está auxiliando no desenvolvimento de espaços de aprendizagem, uma fusão entre sala de aula e ambiente de inovação. 
 
Em seguida, apresentando o Parque Tecnológico de Pelotas, a Administradora e Gestora de Projetos da CIGAM-Gestor, Joana Silva da Rosa, relatou um pouco da sua experiência na empresa de softwares que trabalha, instalada no parque há 4 anos. “Esse ecossistema nos trouxe uma visibilidade ainda maior, além de novas oportunidades de negócio”, afirma. Para Joana, os principais diferenciais são a cultura da cooperação e a integração com o setor acadêmico, possibilitando visitações e espaços de coworking.
 
O último painelista da noite foi o Adm. Jefferson Marlon Monticelli, que em uma apresentação mais teórica, abordou o  contexto do que está sendo chamado de “coronami”, a pandemia do novo coronavírus que surgiu como um tsunami na vida de todos e como estamos tendo que buscar soluções para problemas que nem sequer existiam. Para ele, a inovação traz essa articulação entre o que é humano e a tecnologia. 
 
“Se a inovação é proporcional as conexões, o desafio está em como nos adaptar para esse modelo de distanciamento que estamos vivendo”, acredita. Assim, Jefferson explicou a ascensão de alguns novos modelos de negócio, como o e-commerce, o delivery, as plataformas de gestão e os aplicativos sociais. Após as falas, houve um espaço de debate e esclarecimento de dúvidas.