“A Administração é o que move o mundo”. A frase é da Adm. Soraya Schutel, co-fundadora e CEO da Sonata Brasil e professora da Unisinos, ao destacar a força do Administrador para contribuir com qualquer tema de gestão, em qualquer tipo de organização, em qualquer lugar do mundo, sobretudo, com foco nas pessoas. A temática “O papel dos Administradores frente às Mudanças Culturais” fechou, na manhã de sábado (28), o XV Fórum Internacional de Administração (FIA 2017), em Gramado (RS). O painel, mediado pela vice-presidente de Relações Externas do CRA-RS, Adm. Helenice Rodrigues Reis, contou com a participação de três profissionais com experiência internacional: Adm. Soraya, brasileira com vivência europeia; Denise Gonçalves, gerente de negócios do parceiro nacional da SAP Canadá; e a francesa Corinne Giely Eloi, consultora internacional na área de liderança e coordenadora da Comissão Ação Social da Acif Mulher Florianópolis (SC).
 
Ao contarem suas histórias de vida, as painelistas apresentaram suas experiências profissionais destacando os desafios e aprendizados dessa atuação em cenários de mudanças culturais. Com olhar para a gestão de pessoas, abordaram tópicos como resiliência, humildade, liderança e cultura empresarial. “A gente pode trabalhar em Administração em qualquer lugar do mundo, em qualquer tipo de organização. Tivemos o desafio de encontrar essas painelistas para compartilharem conosco suas experiências em cenários de mudança cultural”, revelou a Adm. Helenice.
Transformações comportamentais, mente aberta, comunicação, propósito. Segundo a francesa Corinne, é dolorido entender como o comportamento tem impacto importante no trabalho em cenários de mudanças culturais. “Qualidades humanas não aprendemos na universidade”, lembrou ela, ao revelar sua atuação em uma multinacional em que reunia 12 diferentes línguas. A mudança dela para o Brasil foi uma escolha de vida ligada ao coração, na qual teve oportunidade para crescer mesmo com o desafio do idioma. “O desafio foi grande, mas quando alinhamos propósito de vida com paixão tudo acontece mais facilmente”, enfatizou. Para Corinne, é fundamental os profissionais estarem alinhados à cultura das empresas, o que de fato impacta no bem-estar das pessoas e, consequentemente, na produtividade. 
 
Segundo a brasileira Denise, há 20 anos no Canadá, iniciar uma experiência no exterior exige atitude, humildade de escutar e entender uma nova realidade, flexibilidade e conexão. “Acima de tudo são as pessoas que vão fazer a diferença. Todos esses aspectos se transpõem para a realidade profissional”, destacou. Para ela, o aspecto humano é o fio condutor que sempre vai existir em qualquer organização, independentemente da cultura da empresa. “Temos que considerar como as pessoas se inserem e quais são os atrativos para atração e retenção desses talentos. As pessoas têm habilidades diferentes. Há diversidade sob várias perspectivas, de gênero, de gerações”, afirmou, destacando que as organizações são lógicas, mas sobretudo psicológicas. 
 
Nesse contexto, é necessário destacar a força do Administrador em contribuir com qualquer gestão, em qualquer lugar, mas sempre com foco principal nas pessoas. “As características do ser humano são extraordinárias. Entender o humano é fundamental para o Administrador. Que bom se todos os cursos tivessem Administração em seus currículos. Nosso conhecimento pode contribuir com a transformação do mundo”, destacou a Adm. Soraya, indicando à plateia que estudem mais os grandes autores brasileiros, como Guerreiro Ramos.